LAR – Lancha de Ação Rápida

Por: César Antônio Ferreira

No campo informativo, sobre aquilo que versa sobre Defesa, as armas como mísseis, aeronaves supersônicas, submarinos e carros de combate são aqueles que galvanizam a atenção do público em geral, devido ao desempenho superlativo desses sistemas, impositivo no campo de batalha, além da impressão de poder que transmitem.  Entretanto, cada teatro operacional traz consigo particularidades, por vezes únicas, que exigem a concepção de meios simples, porém essenciais, para que se possa travar o combate e levar temor ao inimigo. Este é o caso do meio fluvial, do conflito ribeirinho, onde lanchas se fazem tão necessárias como a água, ou o pão…

LAR - Cabine Fechada com proteção balística Nível III. Foto Portal R 7.

LAR – Cabine Fechada com proteção balística Nível III. Foto Portal R 7.

Tendo em mente as condições amazônicas, a Marinha do Brasil concebeu e produziu nas instalações da Base Naval Val de Cães, Organização Militar da Marinha do Brasil subordinada ao Comando do 4º Distrito Naval, sediada em Belém (PA), a LAR – Lancha de Ação Rápida, com o objetivo de proporcionar aos fuzileiros navais e demais forças da nação de um meio capaz de levar adiante grupos de combate em braços de rios e ribeirões. Dotada de um casco planador em alumínio naval, possui resistência e uma autonomia para operar a 200 milhas de sua base. É capaz de levar além do oficial náutico, outros 14 combatentes armados, que graças a facilidade para abicagem da LAR, podem desembarcar com presteza e agilidade, minimizando desta maneira as possíveis baixas por fogo inimigo.  A motorização escolhida é Volvo Penta KAD-43P/ DP, com  230 hp, a diesel, proporcionando a embarcação 35 nós em perseguição e 25 nós em cruzeiro com carga plena.

LAR -  versão cabine fechada. Foto: portal R-7.

LAR – versão cabine fechada. Foto: portal R-7.

A LAR possui duas versões: cabine aberta e fechada. A versão de cabine fechada possui proteção balística para todos os ocupantes, sendo a sua concepção voltada para o trabalho de policiamento, fiscalização naval e disciplinamento do tráfego fluvial realizado por meio de vistorias nas embarcações fluviais, que recebem ordem de parada para abordagem. Dado que em algumas abordagens de embarcações suspeitas podem resultar em disparos repentinos por parte dos meliantes, contrabandistas e outros que se veem desnudados da sua “cobertura civil”, a Marinha do Brasil, pensando na proteção dos seus tripulantes e combatentes projetou uma cabine fechada revestida de blindagem à base de polímero, no caso, de polietileno de ultra-elevado peso molecular (UHMWPE), que oferece proteção de nível III, e atende a norma ABNT NBR 15000. Assim protegidos pela estrutura da lancha, que possui seteiras, os combatentes impõem uma situação de pronta resposta, imunes que estão a uma ação de surpresa por parte do revistado, evitando assim uma ação de inopino da parte deste, garantindo a realização da missão da melhor maneira possível.

LAR - versão aberta em ação. Foto: internet.

LAR – versão aberta em ação. Foto: internet.

A versão fechada possui o posto do condutor da lancha à frente, com os combatentes dispostos atrás, em fileiras, dotadas de blindagem transparente e seteiras. A Marinha do Brasil dispôs desta lancha no Lago de Itaipu, Rio Paraná, onde se fez presente em operações do Ministério da Defesa e em outras ações em favor do Ministério da Justiça, tais como “Fronteira Sul”, “Ágata” e “Sentinela”. Já a versão de cabine aberta, anterior, exibe extrema agilidade e é vocacionada para o assalto ribeirinho, dado a velocidade e o baixíssimo calado, típico do casco hidrodinâmico planador, que proporcionam, também, grande manobralidade e estabilidade, necessárias para os combatentes embarcados efetuarem fogo contra o inimigo.

LAR - versão de assalto, com metralhadora frontal. Foto: portal R 7.

LAR – versão de assalto, com metralhadora frontal. Foto: portal R 7.

As características da LAR, são as que seguem:
Comprimento (total):  7,55 metros.
Boca (Máxima): 2,30 metros.
Calado: 40 centímetros. Com a Bolina, 60 centímetros.
Deslocamento (padrão): 3 toneladas.
Deslocamento (leve): 1,3 toneladas.
Tonelagem bruta de registro: 3,2 toneladas.
Tanque de Óleo Diesel: 500 litros.
Velocidade máxima: 35 nós.
Velocidade de cruzeiro: 25 nós.
Raio de ação: 200 milhas.
Autonomia: 1 dia distante da base (24 horas).
Extensão máxima de percurso: 400 milhas.
Motor: (1) Volvo Penta KAD-43/DP.
Potência: 230 hp.
Equipagem: 1 piloto náutico e 14 combatentes, ou dois tripulantes e 13 combatentes.

 

Portal Defesa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

UA-44933895-1