KC-390, o gigante da EMBRAER

Publicado em: 28/10/2014

Categoria: DESTAQUES, VÍDEOS

Visualizações : 5195

Tags: , , , , , , , ,

Do Rio de Janeiro

Em uma grande cerimônia realizada no último dia 21 pela EMBRAER em suas instalações em Gavião Peixoto, no interior de São Paulo, a empresa reuniu autoridades como o Ministro da Defesa Celso Amorim, o Comandante da Força Aérea Brasileira, Ten. Brigadeiro-do-Ar Juniti Saito além de todo Alto Comando da Aeronáutica. Também estiveram presentes centenas de funcionários, jornalistas do mundo inteiro e comitivas militares de paises parceiros e convidados de 35 países para a apresentação de sua mais nova aeronave. Após o Hino Nacional ser cantado a plenos pulmões por todos os presentes, já repletos de orgulho pelo que estavam prestes a conhecer, a ordem foi dada: “Com vocês, o KC-390!”

Sob o olhar atento e o coração acelerado de milhares de pessoas reunidas entorno de um hangar em Gavião Peixoto-SP e envolto em fumaça verde e amarela, bem devagar, o gigante da EMBRAER foi se revelando.

A aeronave chamou a atenção logo nos primeiros detalhes visíveis como nas largas janelas da cabine de comando, o brilho esverdeado dos Head-Up-Displays, a sonda de reabastecimento e o EVS largo e com várias lentes acima do radome.

Enquanto a aeronave saia do hangar continuou surpreendendo, pela grande envergadura, grandes turbinas e empenagem surpreendentemente alta.

 

O KC-390 vem ao mundo demonstrando a competência da EMBRAER em desenvolver um projeto complexo, com parceiros internacionais e em tempo recorde, com o primeiro protótipo sendo exibido apenas 5 anos após o projeto ser lançado, na LAAD de 2009, no Rio de Janeiro.

 

Com partes produzidas em 4 países distribuídos em 2 continentes, o KC-390 entra no mercado como um produto que visa uma fatia considerável em nível mundial. Apesar de a EMBRAER se negar a comentar sobre o maior concorrente de sua aeronave, o americano Lockheed Martin C-130 Hercules, é esperado que o novo cargueiro o substitua em alguns países.

O KC-390 surge em um momento propício estrategicamente falando, quando várias células do C-130 Hercules pelo mundo se encontram muito próximas do final de sua vida útil, com décadas de uso e milhares de ciclos.

Com uma capacidade de 23 toneladas para cargas paletizadas e 26 toneladas para cargas com centro de gravidade mais preciso, como viaturas militares, e um compartimento de carga medindo 18,4m de comprimento, 3,35m de largura e 3,2m de altura, o KC-390 supera as capacidades de seu concorrente, se tornando mais atrativo.

Por exemplo, o KC-390 pode levar uma viatura AV-LMU do sistema ASTROS II completamente montada, capacidade que o C-130 não possui apesar desta informação circular com frequência, quando na realidade uma AV-LMU só pode ser transportada por um C-130 sem a plataforma lançadora montada por limites de altura.

 A rampa de carga do KC-390 também é mais comprida do que a da maioria dos cargueiros, diminuindo o ângulo entre o solo e o interior da aeronave, facilitando o embarque de veículos e cargas pesadas.

 

Outra característica notável do KC-390 em se tratando de uma aeronave a jato é a capacidade de operação em pistas não preparadas, sejam apenas de terra ou terrenos com detritos soltos. Sua altura em relação ao solo é condizente com tais operações, e seu sistema de suspensão do conjunto traseiro apresenta robustez.

   

A própria posição das turbinas IAE V2500-E5, deslocadas a frente, as tira da zona de projeção de detritos pelo trem de pouso dianteiro em caso de operações em terrenos não preparados com materiais soltos, como pedras e areia. O fato dos motores serem Turbofan também ajuda, uma vez que a maior parte do fluxo de ar que passa pela admissão não é direcionada para os compressores do motor, sendo levados para fora, a fim de resfriar a própria turbina.

 

Outro atrativo da aeronave frente ao seu concorrente é o moderno sistema de monitoramento da aeronave e seus componentes. Sistema esse que informa qualquer falha em vários componentes da aeronave, tornando sua manutenção mais precisa e rápida, e reduzindo consideravelmente o tempo das revisões e aumentando o intervalo entre elas, tornando-a muito mais operacional.

O KC-390 possui asas com grande envergadura, são 35,05m, acentuado diedro negativo revelando uma grande capacidade de sustentação. A ausência de winglets é explicada pelo Gerente do Projeto, Paulo Gastão, quando afirmou durante coletiva que vários testes e ensaios foram feitos, e chegou-se a conclusão que o melhor perfil de ponta de asa para o KC-390 foi o adotado.

A empenagem impressiona pelo tamanho, com o estabilizador vertical alcançando a altura equivalente a um prédio de 4 andares, 11,84 metros.

 

Com 35,20m de comprimento e os citados 35,05m de envergadura, o KC-390 é a maior aeronave já projetada e produzida pela EMBRAER. Esse fato levanta uma questão estratégica importante. A empresa recentemente teve que tomar uma decisão sobre como iria enfrentar o mercado nos próximos anos, e tinha que decidir entre fabricar aeronaves comerciais maiores, entrando no nicho dominado pela Boeing e pela Airbus (737 e A320), ou reformular sua já muito bem consagrada família de E-Jets.

Acabou por escolher esse último caminho, não se aventurando entre os grandes. Porém o KC-390 trouxe desafios a EMBRAER, foi afirmado durante a coletiva de imprensa no Roll-Out que o salto tecnológico representado pelo KC-390 era justamente o Know-How em projetar e construir uma aeronave deste porte.

Fato esse que deixa no ar a impressão de que a EMBRAER, mesmo tendo escolhido revitalizar sua família de E-Jets, estaria evoluindo internamente para, em um futuro não muito distante, investir em aeronaves comerciais maiores, caso contrário o Know-How adquirido seria perdido.

A aeronave é recheada com o que há de mais moderno em relação a aviônicos e sistemas, com um Full Fly-by-wire, glass cockpit, impressora de cartas na cabine e manche lateral do tipo joystick . É impulsionado pela mais nova versão da turbina IAE V2500, a –E5, versão com maior empuxo, 35.000lbs, e que teve sua produção iniciada este ano, tendo por enquanto o KC-390 como única aeronave a opera-la.

 

É inegavelmente uma aeronave moderna que agrega tudo que existe de melhor para a aviação de transporte militar. Seja facilitando o transporte de cargas, ou o de tropas, como por exemplo algo que chama a atenção a um olhar mais atento , a existência de defletores em frente as portas laterais de lançamento de paraquedistas. Os defletores se abrem durante o voo a fim de reduzir o impacto do vento relativo com um observador ou o próprio paraquedista durante o salto, aumentando a segurança para esse tipo de operação em uma aeronave a jato. As portas laterais possui um desenho arrojado, com aparentemente dois pontos de dobra quando aberta, a fim de se adequar ao desenho da fuselagem quando fechada.

 

Luzes de formação são vistas em toda a aeronave, nas laterais nas seções da frente e na de trás, nas asas e sob a aeronave no ventre. Essas luzes auxiliam no voo em formação e operações aéreas como REVO (Reabastecimento em Voo), o modelo instalado no KC-390 é de operação dupla, ou seja, podem operar tanto com luz visível como com luz na faixa infravermelha, vista somente através de óculos de visão noturna, auxiliando em operações noturnas em que a discrição é fundamental.

A seção frontal da aeronave chama a atenção pela beleza do desenho do projeto, com uma silhueta característica dos aviões a jato da EMBRAER, outro ponto que não passa despercebido são quatro características. O EVS entre o radome e o parabrisa, fabricado pela AEL e que tem por finalidade gerar imagens para os pilotos do terreno a frente, e mesmo em condições meteorológicas marginais ou bastante degradadas, como em fortes nevoeiros ou tempestades por exemplo.

 

O par de HUD’s, ou Head Up Display, montados a frente dos pilotos e onde são exibidas além das imagens geradas pelo EVS, parâmetros do voo, sistemas de defesa e horizonte artificial, entregando informações vitais para o voo de forma muito mais ergonômica e direta, sem exigir que o tripulante tire os olhos de fora da cabine para ver informações no painel. Está tudo projetado bem a sua frente aumentando de sobremaneira a consciência situacional.

A sonda de reabastecimento aéreo, surgindo acima da cabine, deslocada ao lado esquerdo, que denota a preocupação da EMBRAER em equipar ao máximo o primeiro protótipo do KC-390 (preocupação essa também refletida nos sistemas de autodefesa espalhados pela fuselagem). A sonda representa também possibilidade de aumento da autonomia da aeronave, podendo alcançar assim virtualmente qualquer destino desejado. O alcance da aeronave sem ser reabastecida gira em torno de 6.200km em translado, e 2.500km completamente carregada.

 

E o mais óbvio, o tamanho das janelas da cabine de comando, entregando aos tripulantes um campo amplo de visão, fundamental para as missões a que se destina. A cabine de comando inclusive é blindada, junto com outras áreas críticas da aeronave, oferecendo maior capacidade de sobrevivência.

A EMBRAER promete que o KC-390 será capaz de realizar inúmeras missões além das sugeridas pelo seu nome,” KC”, que se referem a transporte de cargas, tropas e Reabastecimento Aéreo. A aeronave poderá ser facilmente adaptada para o combate a incêndios florestais, um ponto extremamente falho no Brasil. Essa adaptação seria feita de forma similar a feita hoje nos C-130 Hercules, com o kit MAFFS (Modular Airborne Fire Fighting System), instalado no compartimento de carga e com saídas de água ou líquido retardante se projetando pela rampa de carga.

O KC-390 pode ser adaptado também para missões de busca e salvamento, voando baixo, com a rampa aberta e possivelmente com alguma janela tipo bolha adaptada, ou porta substituída por uma translúcida, a fim de aumentar ainda mais a visão dos tripulantes. Algo fundamental para esse tipo de missão.

 

Missões do tipo “operações especiais” também estão no leque de capacidades do KC-390, tendo em vista sua alta velocidade e grande alcance, podendo entregar tropas e equipamentos com rapidez. Essas mesmas características, aliadas a capacidade de operar em pistas restritas, o faz ideal também para a evacuação aeromédica, com capacidade para até 74 macas.

Enfim, a EMBRAER pretende vender o KC-390 como uma plataforma multimissão, que pode perfeitamente se desviar de seu foco em transporte e reabastecimento, para várias outras missões, de acordo com o que o cliente deseja.

E clientes parece que não vão faltar para o projeto. Além das encomendas da Força Aérea Brasileira de 28 aeronaves + 2 (os dois protótipos serão requalificados após o desenvolvimento do projeto, e entregues à FAB), totalizando 30 aeronaves nos céus brasileiros começando a chegar a partir de 2016, os países que fazem parte do projeto também possuem grande interesse.

Portugal, que fabrica a parte central da fuselagem e as carenagens do trem de pouso principal, se diz interessado em 6 aeronaves do modelo. A Argentina, responsável pela produção da porta superior do compartimento de carga, cone de cauda, portas do trem de pouso dianteiro e rack de eletrônicos, também está manifestando cada vez mais interesse a depender apenas da situação financeira do país e do interesse do governo em confirmar as encomendas.

 E espera-se que a República Tcheca, fabricante de componentes das asas, rampa de carga, parte traseira da fuselagem e todas as portas da aeronave, confirme encomendas a qualquer momento.

 

Além destes países participantes do projeto, muitos outros mostraram interesse no avião. Prova disso é a presença de nada menos que autoridades de 35 países e jornalistas de outra dezena de nações na cerimônia de Roll-Out da aeronave que se deslocaram até Gavião Peixoto para prestigiar este marco importante para o projeto, para a EMBRAER e para a indústria nacional.

Outro mercado que o KC-390 pode vir a aparecer é o de cargas civis. Apesar de não possuir ainda nenhuma negociação com empresas civis para a compra de unidades do KC-390, o presidente da EMBRAER Defesa & Segurança, Jackson Schneider não descarta a possibilidade da produção de um variante civil da aeronave caso haja interesse futuro.

Na coletiva realizada após o Roll-Out, Schneider e o Diretor do Projeto, Paulo Gastão, foram enfáticos ao afirmar que não é uma possibilidade que o KC-390 vá voar ainda este ano, é certeza, ele vai sim voar até o final de 2014 cumprindo o cronograma.

 

 O fato é que um projeto deste porte, com tanta tecnologia aplicada e tanto potencial de sucesso, já é suficiente para encher qualquer brasileiro de orgulho. E a aeronave sendo bonita, como é, só faz esse orgulho aumentar.

 O Portal Defesa deseja muitos voos, em vários ares, para o KC-390.

 Vídeo da cerimônia do Roll out

 

 Clique nas fotos para maior resolução:

     

 

Portal Defesa

11 Responses to KC-390, o gigante da EMBRAER

  1. Leonardo de Araújo disse:

    Belo trem de pouso, item muito importante nesta categoria. Produto irretocável, perfeito. O que me chamou atenção na apresentação foi a engenhoca que fez a função de trator de manobra de pista. Matéria muito boa. O KC-390 é uma verdadeira Copa do mundo para o nosso país. Sem comentário, aeronave linda e plenamente funcional em tudo, quero vê-la pousando na Antártica.

  2. Moacir Jose da Silva disse:

    pensando que o Brasil não faz frente a uma inglaterra, frança, japão, podemos dize que militarmente somos ridiculos, talvez consiga espantar os indios latinos. O que vale construir e não ter operando em numeros suficientes. Veja o Astros 2020, pode ser um dos melhores, mas quantos as forças armadas tem ?Infelizmente somos insignificantes em caso de guerra, bem dizia o chanceler de israel.

  3. Carlos Augusto Santos disse:

    Vinha um pouco desanimado com os sites e blogs que se dizem especializados em a indústria de defesa brasileira. Perdi horas a fio procurando uma matéria que trata-se o assunto KC-390 com conhecimento de causa. Tudo é cópia de outro. O povo diz: quem conta um conto aumenta um ponto. Os auto-denominados "especialistas" contrariando o que o povo diz, ao contarem um conto, não o aumentam; mas, diminuem muito pontos!

    Hoje localizei esta soberba matéria. Ela é o objeto deste meu simples comentário. Apesar de leigo, sou entusiasta de um Brasil indiviso e armado. Isto afastará os cobiçosos pelas nossos recursos naturais e ativos estratégicos.

    Como crítica construtiva, que tal enriquecer a informação dizendo quais foram os 35 países convidados e as quais respectivas instituições; quantos se fizeram presentes; e, através de que pessoas e respectivos cargos? Havia algum representante oficial dos U.S.A. ou da Rússia? Não falo de espiões!

    Aproveito este comentário para encarecer informações sobre o Super Tucano "americano, tais como, quantos são produzidos ao mês; quantos estão em montagem, atualmente; quantas aeronaves, contratualmente, devem ser entregues por lotes e quais datas destas entregas.

    Portal da Defesa, visto o alto nível de sua matéria em comento, vou difundi-la na maior intensidade possível. Faça votos que você se tornem a referência para quem goste da indústria de defesa nacional.

  4. leonardojm disse:

    Muito obrigado!!!

  5. leonardojm disse:

    Muito obrigado pelo elogio! A aeronave é espetacular e merecia nada menos que um ensaio fotográfico detalhado. Agora é aguardar o primeiro voo! Um forte abraço!

  6. Douglas disse:

    Ficou pancada ! Pelo visto terá o mesmo sucesso do Tucano e Super Tucano e E-jets …

  7. Cabeça de Martelo disse:

    De longe o melhor artigo sobre este novo projecto. Estou cada vez mais fã do KC-390!

  8. Pedro Marcos disse:

    Uma coisa que me preocupa é o conflito que se desenrola nas sombras entre o bloco anglo-saxónico e as nações BRIC. A isto há a juntar a concorrência que o 390 vai fazer ao C130 e que pode resultar em sabotagens nos sistemas integrados no 390 e que sejam provenientes dos EUA / Reino Unido. E os motores são R&R…

    Seria excelente que o Brasil pudesse produzir os seus próprios motores.

    Parabéns ao Brasil.

  9. RobertoCR disse:

    Ia esquecendo.

    Eu também quero uma maquete do avião como a apresentada na primeira e última fotos da matéria. 🙂

  10. Thelmo disse:

    Magnífico trabalho! Parabéns à equipe do Portal Defesa!

  11. RobertoCR disse:

    Artigo excelente. É de longe a melhor cobertura sobre o equipamento realizada até o momento. Espero que outros comecem a se espelhar no trabalho de vocês e produzam informação de melhor qualidade sobre a área de equipamentos de segurança/defesa, coisa escassa por aqui.

    Muita informação nova e, principalmente, relevante. O esclarecimento sobre o ASTROS II e a estratégia de mercado que pode ser adotada futuramente pela EMBRAER são exemplos disso.

    O KC-390 deveria ser o assunto mais discutido neste momento em termos de equipamento militar, mas infelizmente a declaração de intenção de abrir negociação para compra de Gripen pela Argentina vem dominando a pauta por aqui.

    Fico agora com a expectativa de que mais matérias sobre detalhes de equipamentos instalados no avião sejam produzidas. E também sobre prováveis concorrentes. Abs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

UA-44933895-1