EUA revela incidente com RC-135

Publicado em: 03/06/2014

Categoria: NOTÍCIAS

Visualizações : 1253

Tags: , , , , , , , , , , , ,

De Brasília

Um caça russo, no caso um SU-27SK, interceptou no dia 23 de abril último uma aeronave de reconhecimento RC-135, de variante não especificada, segundo admitiu à imprensa o porta-voz do Departamento de Defesa dos EUA, Coronel Steven Warren.

A interceptação realizada pelo caça da Federação Russa se deu sobre o Mar de Okhotsk, no extremo oriente. O evento foi dramático, pois o piloto russo realizou manobras arriscadas, próximas e à frente do Boeing da USAF (United States Air Force), podendo por isso ocasionar um acidente grave. O piloto soviético manobrou cerca de trinta metros a frente do aperelho norte-americano e ainda mostrou as armas de maneira intimidatória. Tal agressividade, é bom lembrar, não é algo frequente em interceptações, salvo quando há um estado de tensão entre as nações envolvidas, ou quando a aeronave reconhecedora de longo curso encontra-se próxima a um espaço aéreo restrito.

RC-135 Cobra Ball, o mesmo modelo envolvido no incidente de 1983. Foto: internet.

O incidente foi alvo da protocolar “Expressão de Preocupação” emitida pelo Secretário de Defesa dos EUA, Chuck Hagel, bem como pelo General Martin Dempsey, aos seus equivalentes da Federação Russa, todavia, esta manifestação, naturalmente, não alude o fato de que o reconhecedor eletrônico de longo curso RC-135 estar a orbitar em uma região sensível ao interesse geoestratégico russo, que é justamente o Mar de Okhotsk, um espaço marítimo tido como “santuário” de SSBN (Submarinos portadores de mísseis balísticos estratégicos), que se situa entre a península de Kamchatka e a ilha Sakhalin, área esta que foi o cenário da trajédia do voo KAL 007 (1 de setembro de 1983), durante a era soviética.

SU-27 SK em voo. Foto: internet.

A observação dos fatos, portanto, indica que a presença da aeronave RC-135 não era inocente, e em virtude da crescente virulência retórica existente entre as nações, é possível que o comando militar russo responsável pela área tenha tomado o voo do quadrirreator reconhecedor como “uma provocação”. O fato também anunciado de que um evento análogo aconteceu um dia após no Mar Negro, corrobora com esta percepção.

O RC-135

As aeronaves Boeing RC-135 executam missões de coleta de informações eletrônicas, reconhecendo padrões de frequência dos radares de uma determinada região, bem como de comunicações realizadas por radiofrequência. Ou seja, realizam os RC-135 missões ELINT-Electronic Intelligence, o que de maneira alguma é uma missão amistosa, ou não hostil, visto que reconhecimento é um ato prévio para qualquer agressão, apesar de ser “rotineira”.

As revelações do porta-voz, Coronel Steven Warren, se deram nesta terça-feira, 3 de junho de 2014.

Portal Defesa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

UA-44933895-1