França vai substituir o FAMAS

Publicado em: 23/05/2014

Categoria: NOTÍCIAS

Visualizações : 3027

Tags: , ,

Do Rio de Janeiro

No que pode ser considerado um dos maiores programas de compra de armas individuais da Europa nas últimas décadas, o DGA (Direction Générale de l’Armement) lançou esta semana o processo de substituição do fuzil FAMAS, padrão das forças armadas francesas a 35 anos, com mais de 400.000 unidades em seus arsenais.

Denominado Arme Individuelle Future, AIF, o programa visa a aquisição de 90.000 unidades no calibre 5.56, divididos em 45.000 da versão padrão, e 45.000 da versão carabina, além de lançadores de granadas 40mm e munições.

O problema é que a França não conta com uma indústria de armas desse tipo desde 2002 quando foram encerradas as atividades da MAS (Manufacture d’Armes de Saint-Etieene), o que significa que obrigatoriamente terá que ser adquirido um modelo de outro país. Os prováveis candidatos são: Beretta ARX160, HK416A5, FN SCAR, F90 e a CZ805.

As propostas serão entregues até o dia 26 de junho, sendo o contrato assinado até dezembro de 2016 após um complexo processo de testes e análise dos candidatos.

A nova arma deverá ser também compatível com o programa FELIN do soldado do futuro das forças armadas francesas.

Portal Defesa

6 Responses to França vai substituir o FAMAS

  1. Gilberto Rezende-Rio Grande/RS disse:

    Valeu Túlio, realmente acho que seria muito positivo se o governo brasileiro continuar a "abrir" a Imbel conforme você comentou na matéria sobre o IA-2 onde até o CTEX foi incluído no processo.

    Gostaria muito que a "nossa" arma fosse colocada a prova não só no certame na França (substituição do FAMAS) como também,e audaciosamente, dentro do foro militar IBAS (Índia, Brasil e África do Sul) ser oferecida para teste na Índia, onde segundo as últimas informações parece que o projeto nacional de fuzil indiano se frustrou, isso mesmo que fosse para licenciar sua fabricação local (os indianos adoram fazer isso).

    Se uma das duas "vendas/licenças" ocorresse as chances do IA-2 se alastrar na UNASUL seria muito grande e o fuzil ganharia em escala (se sua qualidade real atual merecer este destino).

    SE NÃO, participar e perder neste tipo de disputa serve para tunar um nível mais RACIONAL de percepção do NOSSO fuzil, evitando a armadilha da nossa conhecida tendência bipolar de ufanismo/viralatismo exacerbado e paralelamente pode resultar num impulso extra para manter o necessário e contínuo desenvolvimento de um armamento NOVO e melhorá-lo ainda mais.

    E cerro fileiras com a TROPA que torce para que o seu test-drive oficial da IA-2 seja liberado pelas autoridades do EB e do MD.

    Talvez estejas tentando prioritariamente os canais próprios via EB (corrija-me se minha percepção estiver errada), politicamente acho que se AINDA não tentaste um contato ou pedido oficial fundamentado direto ao Ministério da Defesa possa desbloquear teu caminho…

  2. Túlio Ricardo Moreira disse:

    Perfeito, amigo Gilberto. Este comentário que citaste jamais chegou ao ar, sequer o vimos. Sobre ele, digo-te que também senti falta da menção ao IA-2 na matéria, mas só podemos escrever sobre o que sabemos ou nos foi informado por fonte fidedigna que está em cogitação, eis aí um de nossos compromissos com a CREDIBILIDADE; o outro é precisamente o que elencaste, ou seja, NÃO censuramos post, exceto se for spam, propaganda política, ofensas e demais coisas que nada contribuem. Como sempre, não é teu caso, brilhante debatedor que conhecemos no Fórum Defesa Brasileira. Não negamos que pode ter havido problema na interface. Fica a sugestão: se uma postagem tua não aparecer, tentes outra vez, pois não vetamos opiniões, elas para nós são sagradas!

    Um abraço!

    Túlio

  3. Gilberto Rezende-Rio Grande disse:

    Pode ter havido então algum problema de envio…

    Eu comentei que apesar de não ter sido citada na matéria, o Ministério da Defesa deveria ordenar que a IMBEL coloque na disputa o novo IA-2 nesta disputa.

    Não importa se vai ganhar ou não, seria uma importante forma do governo avaliar a nova arma do EB de forma INDEPENDENTE.

    Poderia inclusive com as avaliações técnicas francesas gerar informações para aperfeiçoamento do projeto.

    SE ganhasse seria histórico, mas duvido que o orgulho francês permitiria adotar um fuzil sul-americano…

  4. Túlio Ricardo Moreira disse:

    Gostaria de saber também. Se vetarmos aqui diremos a razão.

  5. leonardojm disse:

    Poderia explicar melhor seu comentário por favor?

  6. Gilberto Rezende disse:

    Comentário vetado ???

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

UA-44933895-1